Brasília

Foto: Divulgação/EBC

O conjunto urbanístico-arquitetônico de Brasília, construído a partir do Plano Piloto, um projeto de Lucio Costa, foi inscrito no Livro de Tombo Histórico pelo Iphan em 14 de março de 1990. Primeiro conjunto urbano do século XX a ser reconhecida pela Unesco, em 1987, como Patrimônio Mundial. Sua principal característica é a monumentalidade, determinada por suas quatro escalas: monumental, residencial, bucólica e gregária e por sua arquitetura inovadora.

Brasília foi concebida, projetada e construída entre 1957 e 1960. Seu conjunto urbanístico se constitui no principal artefato urbano produzido em consonância com os princípios urbanísticos e arquitetônicos do movimento moderno. Inserida no projeto nacional de modernização do país conduzido pelo então presidente Juscelino Kubitschek, sua construção e consolidação como capital do Brasil compõem um fenômeno geopolítico e social de grande desdobramento para a história brasileira.

Não são só os monumentos que fazem visitantes e turistas se renderam à grandeza da capital. Graças ao território plano e à ausência de grandes construções verticais, o céu de Brasília acabou conhecido como um dos mais bonitos do país, as construções de traços modernos e os largos espaços verdes que completam a paisagem.

Destaca-se a excepcional correspondência entre o projeto urbanístico de Lucio Costa e a arquitetura de Oscar Niemeyer, cuja imagem mais forte resulta do cruzamento entre os Eixos Monumental e Rodoviário, que define o seu esquema urbano e enfatiza o caráter representativo dos espaços públicos da Praça dos Três Poderes e da Esplanada dos Ministérios, expresso nas formas do edifício do Congresso Nacional e do modo de morar concebido, definido pela Unidade de Vizinhança e suas superquadras.

Atualmente, com cerca de 2,9 milhões de habitantes, Brasília é uma das maiores metrópoles do Brasil. Além de sediar o Governo Federal e ser um grande centro prestador de serviços, com acervo arquitetônico, urbanístico e paisagístico de grande beleza e singularidade. É uma cidade-parque, densamente arborizada, emoldurada pelo Lago do Paranoá.

■ PONTOS TURÍSTICOS

Jardim Botânico de Brasília – JBB
É uma área protegida, A área acessível à visitação é composta pelo Centro de Visitantes, Centro de Excelência do Cerrado, área de Piquenique, Orquidário, Cactário, Biblioteca, Permacultura, Anfiteatro, Trilhas Interpretativas e Jardins Temáticos. O Jardim Botânico de Brasília possui 4.518 hectares protegendo a vegetação do Cerrado, em excelente estado de conservação que pode ser apreciada nas Trilhas Interpretativas abertas à visitação pública. Por conta dessa característica, o JBB é conhecido como o “Jardim do Cerrado”.

Além do contato com o Cerrado, assim como os museus possuem coleções abertas a visitação pública, o JBB possui uma coleção de Jardins Temáticos. São eles: Jardim Evolutivo, Jardim de Cheiros, Jardim Japonês e Jardim de Contemplação. Estes espaços proporcionam o contato com a diversidade das espécies existentes no planeta e ajudam a entender como as sociedades humanas se relacionam com suas plantas e constroem suas paisagens.

Parque Ecológico Água Mineral
O Parque Ecológico Água Mineral é uma das ótimas opções de lazer e turismo em Brasília, o local conta com piscinas para refrescar as pessoas e que são abastecidas com águas das várias nascentes do local, áreas para pique-nick, trilhas ecológicas onde é possível conhecer mais a fauna e a flora do local. Ao todo, o parque possui 30 mil hectares de extensão.

Esplanada dos Ministérios
A Esplanada dos Ministérios está localizada no Eixo Monumental, via que corta o Plano Piloto no sentido leste-oeste. A área é um vasto gramado com 17 prédios de construção uniforme, que abrigam os ministérios, órgãos do Poder Executivo. Ao final, está o Congresso Nacional.

Museu Histórico de Brasília (Museu da Cidade)
O Museu Histórico de Brasília (Museu da Cidade) integra o Conjunto Cultural Três Poderes. Foi projetado por Oscar Niemeyer e tem por objetivo preservar os trabalhos relativos à história da construção de Brasília. É o museu mais antigo da capital, inaugurado no dia 21 de abril de 1960 – no dia da inauguração da cidade, evento que marcou a transferência oficial da capital do Rio de Janeiro para Brasília.

Palácio da Alvorada
Projetado por Oscar Niemeyer, é uma das mais importantes edificações do modernismo arquitetônico brasileiro e o primeiro prédio construído em alvenaria na nova capital. Está localizado numa península que divide o Lago Paranoá em Lago Sul e Lago Norte e abriga a residência oficial do presidente da República.

Santuário Dom Bosco
Projetado por Lúcio Costa, ocupa posição central no Plano Piloto. Chama atenção a luz azul que tinge todo o ambiente a partir dos vitrais da cor do céu, do chão ao teto. À noite, durante as missas, é aceso o majestoso lustre formado por 7.400 copos de vidro, fabricados na ilha italiana de Murano.

Ermida Dom Bosco
Esta pequena capela proporciona uma das vistas mais privilegiadas de Brasília. A partir dela é possível enxergar o Palácio da Alvorada, o Eixo Monumental e a Esplanada dos Ministérios. Foi projetada por Oscar Niemeyer, em forma de pirâmide, revestida de mármore branco. Foi construída sobre uma estrutura de concreto ao lado do Lago Paranoá.

Palácio do Planalto
O Palácio do Planalto é a sede do Poder Executivo e o local onde fica o gabinete presidencial. Foi um dos primeiros edifícios construídos na nova capital e o centro das comemorações da inauguração de Brasília. O projeto do Palácio, de autoria de Oscar Niemeyer, impressiona pela pureza das linhas, com predomínio de traços horizontais e efeito plástico requintado.

Chapada Imperial
A Chapada Imperial é a maior área de mata particular preservada dentro do Distrito Federal. São 4,8 mil hectares de trilhas ecológicas e mais de 30 cachoeiras que podem ser visitadas com segurança e infraestrutura.

Parque da Cidade Sarah Kubitschek
O maior parque urbano da América Latina reúne a Praça das Fontes, com paisagismo de Burle Marx, uma ciclovia, uma hípica, uma pista de kart e parques infantis, além do circuito de atletismo de 4 km para iniciantes, além de trajetos de 6 e 10 km. Conta também com restaurantes e bosques com churrasqueiras e um anfiteatro.

Memorial dos Povos Indígenas – MPI
Idealizado por Darcy Ribeiro e projetado por Oscar Niemeyer. Edificação em espiral que remete à maloca dos índios Yanomami; o espaço foi construído em 1987, tem área de 2.984,08 m², com 70m de diâmetro e um amplo pátio interno, onde são realizadas apresentações e outras manifestações da cultura indígena.

O Memorial recebe uma média de 2.500 visitantes por mês, e tem por objetivo mostrar a diversidade e riqueza da cultura indígena, de forma dinâmica e viva. Com esse propósito, promove eventos com a presença e a participação de representantes indígenas de diferentes regiões do país.

Feira do Guará e Feira da Torre
Uma das mais tradicionais feiras da cidade, a Feira do Guará acabou se tornando ponto turístico de Brasília, em especial graças à grande variedade de produtos oferecidos nas quase 600 barracas: de comidas típicas a presentes e artesanato. Funciona de quinta a domingo em uma área de 11 mil m2 e quem visita a cidade deve reservar ao menos uma manhã para percorrer as barracas e desfrutar de produtos diversos. Se o assunto é artesanato, a Feira da Torre é a parada obrigatória para o visitante. Quarentona, reúne trabalho de artesãos locais que usam técnicas diversas e materiais brasileiros, como o capim dourado, para confeccionar anéis, colares, brincos, cintos, porta-moedas e objetos em geral. Os bordados e os objetos em madeira também são destaque nas 522 barracas que oferecem produtos no local. A feira funciona aos sábados, domingos e feriados, das 8h às 18h.

Memorial JK
Os espelhos d’água, as rampas de acesso e os jardins emolduram o edifício monumental, todo em mármore branco. O pedestal de concreto armado, medindo 28 metros de altura, sustenta a estátua do presidente Juscelino Kubitschek. No local, encontram-se o mausoléu do governante, um museu e sua biblioteca particular.

Catedral
Projetada pelo arquiteto Oscar Niemeyer, a Catedral dispõe de quatro grandes sinos, doados pela Espanha. Na cobertura da nave, um vitral com dezesseis peças em fibra de vidro, em tons de azul, verde, branco e marrom, decora o ambiente em meio aos pilares de concreto pintados por Marianne Peretti, em 1990. O altar foi doado pelo papa Paulo VI, enquanto a Via Sacra é uma obra de Di Cavalcanti. Na entrada da catedral, as passagens da vida de Maria foram pintadas por Athos Bulcão.

Lago Paranoá
O Lago Paranoá, criado artificialmente como parte do plano de construção de Brasília na gestão do então presidente Juscelino Kubitscheck, tem 48 km² de extensão, 80 km de perímetro e praias artificiais ao seu redor. Em suas águas, navegam mais de 11 mil embarcações, o que qualifica sua frota como a terceira maior do país e um reduto de esportes náuticos. A pesca amadora e em pequena escala tornou-se permitida após a despoluição do lago, em 2000. As espécies mais comuns são os lambaris e as traíras, ambos nativos da região, além de tilápias e carpas. Em 2002, completando o cenário do Lago Paranoá, foi inaugurada a Ponte JK, obra do arquiteto Alexandre Chan. Com 1,2 km de extensão, 24 metros de comprimento e três grandes arcos assimétricos, é um dos cartões postais da capital federal.

Congresso Nacional
Na visita, é possível conhecer o patrimônio artístico e cultural do Congresso Nacional, compreender seu funcionamento, bem como o papel das duas casas legislativas da República Federativa do Brasil.

Espaço Lúcio Costa
Pequeno museu subterrâneo concebido por Oscar Niemeyer para homenagear o idealizador da capital federal. Conta com uma maquete tátil de Brasília, cópias do projeto original do Plano Piloto, bem como fotos da construção e da inauguração.

 

■ Como Chegar

De Carro:
Da região sudeste até a capital do país são aproximadamente 1169 km de distância da cidade do Rio de Janeiro, o acesso pelas vias BR-354 e BR-040.

De Avião:

AEROPORTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA PRESIDENTE JUSCELINO KUBITSCHECK, possui vôos vindos de todo o país. Acesse o site: https://www.bsb.aero/br/

■ Mapa da Região