Bagé

Bagé fica no estado do Rio Grande do Sul e possui uma população de cerca de 117 mil habitantes em uma área de quase 5000 km². Está a 366 km da capital e cerca de 60 quilômetros da fronteira com o Uruguai. O clima por aqui é o que se chama temperado: verões quentes e invernos frios, com geadas frequentes, ideal para se reunir ao redor do fogo e tomar um mate amargo para aquecer.

A cidade é bastante diversa, com uma vocação histórica para o agronegócios, sendo o segmento renomado pelos criatórios de gado corte. Na fruticultura das mais variadas, destacando-se as produções de oliveiras e parreirais graças as condições climáticas favoráveis que só o Pampa Gaúcho oferece, são produzidos os mais finos vinhos e azeites.

Divide seu território entre a calmaria e imensidão da campanha, e as inusitadas formações rochosas da parte alta da bacia do Rio Camaquã, com uma vegetação que forma um mosaico de campo e florestas naturais, entrecortadas por coxilhas e pradarias. Estamos no coração do Bioma Pampa, uma paisagem cultural única no mundo. Em nenhum outro lugar é possível encontrar as espécies de plantas e animais que habitam nossa região, tampouco as expressões socioculturais das populações desta terra.

Percorrer nossos campos e nossas vias é uma viagem no tempo: a bela paisagem foi cenário de diversas batalhas que moldaram nosso estado e nosso povo e verás a riqueza da história do Rio Grande, imortalizada em prédios que contam em sua arquitetura a história de nossa cidade.

Ainda temos eventos para os amantes de todas as artes: o Dança Bagé, querido pelo público bajeense; a tradicional Semana Farroupilha, onde celebramos nossa tradição e o orgulho de ser gaúcho, com atividades campeiras e muita música nativista; A Festa do Churrasco, que chegou a entrar para o livro dos recordes como maior churrasco do Mundo. Imperdível, afinal, quem não gosta de um bom churrasco assado com a propriedade de um taura bem gaúcho? Tem também carnaval, festival de teatro, de cinema, de música erudita, de música tradicionalista, de gastronomia, de artesanato, bah! É coisa que não acaba mais.
Te convido a mergulhar no folclore do Pampa e na riqueza da nossa cultura; a conhecer e vivenciar esta experiência autêntica, de paz, de liberdade e de raízes profundas do gaúcho fronteiriço.

■ PONTOS TURÍSTICOS

Cidade Cenográfica de Santa Fé
Em 2012, Bagé foi um dos cenários escolhidos pelo diretor Jayme Monjardim, por sua luz e paisagem ímpar, para as filmagens do filme “O Tempo e o Vento”, construindo aqui a Cidade Cenográfica de Santa Fé. O filme é inspirado na maior obra do escritor gaúcho Érico Veríssimo, que conta história da família Terra Cambará até o final do século XIX. Retrata a formação do Rio Grande do Sul, do território brasileiro, a construção da sua cultura e a demarcação de suas fronteiras, através de uma rica narrativa de personagens míticos e fictícios. A Cidade Cenográfica de Santa Fé está localizada no Parque do Gaúcho, à aproximadamente 7 km do centro de Bagé. É composta por 17 construções, incluindo a igreja, o Sobrado e em seu centro, uma praça com duas figueiras – uma cenográfica e outra natural.

Catedral de São Sebastião

Em 1893, durante a Revolução Federalista, a Catedral e a Praça foram palco de grandes acontecimentos, no episódio que ficou conhecido como Sítio de Bagé, quando forças revolucionárias, pretendendo tomar a cidade, obrigaram os legalistas ­republicanos, comandados pelo Coronel Carlos Maria da Silva Telles, a armar a defesa da Praça.

O templo se transformou em hospital de sangue, enquanto junto às paredes laterais se sepultavam os mortos. A Igreja ficou com suas paredes cravejadas de balas. Só a imagem simbolizadora da Esperança, na fachada, não recebeu nenhum projétil. Celebrada a pacificação, voltou a cidade à normalidade. Com doações de fiéis, comandados pelo cônego Bittencourt, a Igreja foi sofrendo reformas e reparos.

Praça Silveira Martins
A Praça Gaspar Silveira Martins, em homenagem um político. Silveira Martins era natural de Aceguá, há registros de seu batizado, datado em 05 de agosto de 1835. Foi um político muito polêmico e era conhecido como o Sansão do Império ou Demóstenes do Pampa. Faleceu em Montevidéu, no dia 23 de julho de 1901, e seus restos mortais foram trazidos para Bagé e colocados na Catedral de São Sebastião no dia 03 de dezembro de 1920. A Praça Silveira Martins é uma das praças mais lindas de Bagé, conta com um Coreto excelente área de lazer para a população e visitantes. Em 1908, foram trazidos do Rio de Janeiro dois anjinhos e forma colocados no centro da praça, serviram por muitos anos como chafariz, hoje já retiraram as fontes.

Prédio da Intendência Municipal
A Intendência Municipal foi inaugurada em 24 de fevereiro de 1900, e foi construída na administração de José Octávio Gonçalves. A planta da construção constitui-­se de: um salão para o Conselho Municipal, uma sala para o Júri, duas salas para cada Secretaria (Tesouro, Município e Obras Públicas), ante sala e Gabinete do Intendente, biblioteca, Secretaria do Subintendente, alojamento para a Guarda Municipal, duas prisões e outras peças pequenas indispensáveis para o funcionamento da Intendência.

A parte térrea, lado sul, funcionou como cadeia por muitos anos, e na parte superior, no Salão Nobre, funcionou a Câmara dos Vereadores.  A porta principal original foi readaptada no interior do prédio, e a que hoje está no local foi doada pelo uruguaio Dr. Roberto Magalhães Suñe que possui 900 kg de ferro e 600 kg de bronze.

Museu Dom Diogo de Souza FAT Urcamp
Acervos particulares, documentação, fotografias e objetos de uso pessoal dos vultos históricos, objetos de uso pessoal, utensílios domésticos e de trabalho hemeroteca, fototeca, biblioteca. Atividades de exposições permanentes e temporárias, atividades com escolas e palestras dirigidas a escolares e público em geral.

Instituto Municipal de Belas Artes
A construção do prédio onde hoje é o Instituto Municipal de Belas Artes começou por volta do ano 1905, e mesmo sem o término total da obra se instalou no local o Clube Comercial, que permaneceu até a conclusão da sua atual sede em 1937. Durante este período em 1921, os Professores Guilherme Fontainha e José Corsi, a convite do Intendente Tupy Silveira vieram do Conservatório de Música de Porto Alegre, para a fundação de uma Escola Musical, os dois professores se instalaram em uma sede provisória, no Clube Caixeiral. A inauguração da Escola foi no dia 10 de abril de 1921, com a apresentação da Orquestra do Centro Musical de Porto Alegre, os primeiros cursos foram o Instrumental de Piano e o Elementar e Teórico Prático de Música. Da sede provisória, no Clube Caixeiral, a escola passou para o prédio da Avenida Sete de Setembro (atual Rádio Cultura), e a seguir, para a esquina da Avenida Tupy Silveira e Rua Félix da cunha (atual Supermercado Nacional), e finalmente para o atual prédio. Isso em 1937, no governo do Prefeito Luís Mércio Teixeira, quando ele evoluiu a Instituto. Hoje o Instituto Municipal de Belas Artes oferece vários cursos a população e é motivo de orgulho para os bageenses.

■ COMO CHEGAR

De Carro:
Para quem vem da região Sudeste acesso pela via via BR-101, duração 23 h 40 min e distância de 1.900,5 km.

De Ônibus:
Viação Planalto
Site: http://planalto.com.br

■ MAPA DA REGIÃO