Home / Parques Nacionais / Parque Nacional da Serra dos Órgãos

Parque Nacional da Serra dos Órgãos

NOME DA UNIDADE: Parque Nacional da Serra dos Órgãos

BIOMA: Mata Atlântica

ÁREA: 20.020,75 hectares

Objetivo da UC: Os Parques Nacionais têm como objetivo básico a preservação de ecossistemas naturais de grande relevância ecológica e beleza cênica, possibilitando a realização de pesquisas científicas e o desenvolvimento de atividades de educação e interpretação ambiental, de recreação em contato com a natureza e de turismo ecológico. Os objetivos específicos do Parque foram definidos com base na Lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação – SNUC (Lei nº 9985/2000), nos objetivos estabelecidos para a categoria de manejo Parque Nacional e nos objetivos estabelecidos no decreto de criação do PARNASO, além dos subsídios do plano de manejo anterior e das informações levantadas no III Encontro de Pesquisadores , a saber: – Proteger porção do refúgio pleistocênico Rio de Janeiro, importante centro de endemismo e diversidade. • Preservar a área central do Corredor de Biodiversidade da Serra do Mar, maior porção remanescente da floresta atlântica. – Preservar as diferentes fitofisionomias e organismos associados ao longo do gradiente altitudinal na floresta pluvial sub-montana, na floresta pluvial montana, na floresta pluvial alto-montana, nos campos de altitude e na vegetação rupícola. – Proteger elementos singulares da paisagem, como monumentos geológicos de caráter único, tais como o Dedo de Deus. – Contribuir para a manutenção dos padrões climáticos da região, que exerce atração turística. – Proteger os recursos hídricos, especialmente as nascentes e mananciais das bacias hidrográficas que nascem no Parque, tais como: Soberbo, Caxambu, Beija-Flor, Paquequer e Roncador. – Preservar in situ o patrimônio genético, espécies raras, endêmicas e ameaçadas, como a Saudade-de-asa-cinza Tijuca condita, sapo-pulga Psyllophryne didactyla e opilião-de-ferradura-neon Graphinotus Therezopolis. – Preservar espécies bandeiras para a conservação, como o palmito-jussara Euterpe edulis, a bromélia-imperial Alcantarea imperialis, o samambaiaçu Dicksonia sellowiana, o trinca-ferro Saltator similis, a jaguatirica Felis yaguarundi e o muriqui-do-sul Brachyteles arachnoides, um dos primatas mais ameaçados do mundo. – Propiciar a visitação, lazer e recreação de forma ordenada, voltados para a sensibilização ambiental e a valorização e conservação do patrimônio natural. – Propiciar a prática de montanhismo e escalada respeitando princípios de mínimo impacto e segurança. – Preservar o patrimônio histórico-cultural, como a Capela de Nossa Senhora da Conceição do Soberbo. – Promover a educação ambiental, constituindo-se como espaço pedagógico difusor de conceitos e práticas ambientalmente corretas em nível regional. – Promover a integração com as comunidades do entorno visando a proteção e a minimização dos impactos ambientais. – Incentivar e dar suporte a pesquisas específicas e interdisciplinares que gerem conhecimento sobre a região e auxiliem na formulação de estratégias de conservação.

Municípios: Teresópolis (RJ), Petrópolis (RJ), Magé (RJ), Guapimirim (RJ)

DIPLOMA LEGAL DE CRIAÇÃO: Dec nº 1.822 de 30 de novembro de 1939/ Dec nº 90.023 de 20 de setembro de 1984 /Dec s/nº de 13 de setembro de 2008

COORDENAÇÃO REGIONAL / VINCULAÇÃO: CR8 – Rio de Janeiro

ENDEREÇO: Alto – Teresópolis/RJ – CEP: 25.960-602

TELEFONE: (21) 2152-1100/5/ 2642-9422/ 9924-9013/VOIP (61) 3103-9913