Home / Cidades do Brasil / Tiradentes

Tiradentes

A cidade de Tiradentes, na região Central de Minas Gerais, homenageia em seu nome o alferes Joaquim José da Silva Xavier, conhecido pelo apelido de Tiradentes. As poucas ruas formam a cidade de 6.500 habitantes, artistas e artesãos de diversas áreas que optaram por dividir suas moradias entre o agitado eixo Rio, São Paulo e Belo Horizonte.

Tiradentes vive seu auge cultural com a Mostra de Cinema, em janeiro, e o Festival Internacional de Gastronomia, em agosto, duas boas opções do calendário nacional de eventos. Os passeios de charrete e a viagem no trem Maria Fumaça entre Tiradentes e São João del Rei estão entre os seus principais atrativos. A boa infra-estrutura da cidade garante conforto e segurança aos visitantes.

Tiradentes é, com certeza, uma das mais belas cidades históricas do Estado. Caminhar pela pequena cidade, curtindo cada passo, é sentir o sabor e o aroma das Minas Gerais.

O calendário de eventos do destino é bastante movimentado. Desde festivais gastronômicos a eventos musicais, ou de motivações religiosas. Existe um novo roteiro de turismo religioso que está sendo criado e envolve destinos da região de forma integrada.

■ PONTOS TURÍSTICOS

Caixa d’água da Esperança
Partindo da estação ferroviária por estrada de terra sempre margeando o rio das Mortes, depois de percorridos 11 km chegaremos a este povoado. Alem da hospitalidade de seus pequenos fazendeiros podemos encontrar: quitandas, queijos , aguardente artesanal, mel silvestre e leite no curral, ou simplesmente admirar a beleza natural do lugar o rio e suas lagoas. A partir da caixa d’água podemos também fazer uma visita a capela rural do séc. XVIII de padre Gaspar no povoado do Elvas.

Largo das Forras
Local de lazer da comunidade. Neste largo temos além do casario antigo, o prédio da Prefeitura de 1720 e a Igreja do Senhor Bom Jesus da Pobreza de 1771. Neste Largo também podemos encontrar o passinho da paixão de Cristo (ao todo são sete espalhados pelo centro Histórico contendo as passagens de Cristo), onde se realiza parte dos festejos da Semana Santa, alguns decorados com grandes obras de arte. Encontramos também um monumento dedicado ao Alferes Tiradentes, construído em 1892 para celebração do centenário da morte do mesmo.

Parque Frei Veloso
Fica a 4 km Remanescente da mata atlântica na vertente voltada para Tiradentes e vegetação de cerrado na vertente oposta. A Serra de São José é área de preservação ambiental.

Cadeia Pública
Construída em 1833 e 1845 no local da velha cadeia incendiada. É um prédio sólido e austero, com janelas protegidas por pesadas grades de ferro. Funciona também no local o Museu de Arte Sacra.

Câmara Municipal
Localizada na ladeira da Matriz de Santo Antônio, construída no séc. XVIII.

Capela de São João Evangelista
A Igreja pertencia à Irmandade dos Homens Pardos. Os mulatos, grandes compositores e executores de música no período Colonial. Em um espaço da Capela-mor está sepultado um dos mais importantes compositores da música mineira no século XVIII, o Tiradentino Manoel Dias de Oliveira.Seu interior apresenta estilo Rococó e o que chama atenção são as imagens de um mesmo santeiro em tamanho natural.

Capela de Santo Antônio do Canjica
Construída em 1702 pelo fundador da cidade, o bandeirante João de Siqueira Afonso. Sua fachada e interior são simples. Está localizada no bairro do Canjica.

Capela Nossa Senhora das Mercês
A Irmandade de Nossa Senhora das Mercês dos Pretos Crioulos foi instituída em 1756. Em 1807, a capela estava parcialmente construída com altar de talha moderna, pintado e dourado. As pinturas do forro, retábulo, arco-cruzeiro são de autoria do artista Manoel Victor de Jesus. A pintura do óculo, executada entre 1829 e 1830, é de autoria do pintor Jerônimo José de Vasconcelos. Os púlpitos foram executados por Joaquim Moreira da Silva, por volta de 1824, e pintados, em 1845, por Severino de Almeida Souza.

O interior possui o rico altar-mor, de gosto rococó, policromado e dourado por Victor de Jesus, com decoração em rocailles, flores e marmoreados de cores fortes, entre outros elementos. O arco-cruzeiro é coberto de talha dourada e policromada, e complementam a decoração uma bonita balaustrada de jacarandá torneado, dois púlpitos policromados e coro com balaustrada torneada. Suas belas pinturas, ao gosto rococó, cobrem os forros da nave e capela-mor, onde está a pintura que representa cenas da Ladainha da Virgem e de Nossa Senhora das Mercês. A capela possui imagens e peças em talha rococó, e algumas peças de prata dos séculos XVIII e XIX.

Capela São Francisco de Paula
Construção do séc. XVIII. À sua frente amplo gramado onde se ergue um cruzeiro, instalado em 1718, quando da elevação à Vila de São José Del-Rei. Ainda desta colina descortina-se também uma bela vista da cidade e da serra de São José.

Casa da Câmara e Antigo Fórum
Construção de 1717, neste casarão se reunia o Senado da Câmara desde 1718 e onde o pai do Alferes, Domingos da Silva Santos exerceu o cargo de Vereador. O prédio servia para recepcionar os Imperadores e pessoas ilustres que visitavam a cidade de São José Del Rei (Tiradentes).

Casa do Padre Toledo
Este casarão tem seu valor arquitetônico, pois é a construção em que mais se concentram pinturas de tetos em um mesmo prédio em Minas Gerais. Também possui um grande valor cultural para o Brasil, pois aqui em 1788 ocorreu a primeira reunião da Inconfidência Mineira, onde se tramou os primeiros ideais de libertar o Brasil de Portugal. Tendo. Este movimento partir para Ouro Preto Capital do Estado. Esta casa era de propriedade do Inconfidente Padre Toledo. Hoje é um museu com rico mobiliário e obras de arte.

Centro de Cultural Yves Alves
Localizado no centro histórico de Tiradentes, cercado das mais características construções de nosso período colonial e de verdadeiras obras de arte do barroco brasileiro, o edifício do Centro Cultural Yves Alves foi concebido com intenção de constituir-se uma entidade cultural auto sustentável, que promova a melhoria da qualidade local, através da realização de eventos que visem difundir o conhecimento da cidade e desenvolver suas instituições culturais e empresariais.

Chafariz de São José
Construído em 1749 pela Câmara Municipal de São José Del Rei (Tiradentes). Sua construção tinha três funções: na parte da frente, abastecer com água potável a população, à direita servir como suporte para as lavadeiras locais e à esquerda servir de bebedouro aos animais. Sua fachada é em estilo barroco e guarda uma rara imagem de São José de Botas e um Brasão de armas do Reino de Portugal.

Estátua do Alferes
Monumento instalado em 19/01/2002 como marco dos 300 anos de fundação da cidade de Tiradentes. A estátua retrata a figura do filho mais ilustre desta cidade, quando jovem Alferes, partiu de sua terra rumo a Vila Rica com ideais libertários.

Igreja da Santíssima Trindade
Igreja construída em 1810, local em que o Alferes Tiradentes, devoto da SS. Trindade, exigiu que na bandeira da Nova República, idealizada pelos inconfidentes, tivesse o triângulo da trindade. O símbolo é usado na bandeira do estado de Minas Gerais. Nesta igreja encontra-se uma importante imagem de Deus-Pai, em tamanho natural, única do Brasil.

Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos
Construída em pedra, meados do século XVIII, pela Irmandade dos Pretos Cativos. As pinturas no forro representam os quinze mistérios do Rosário e foram trabalhadas por Manoel Vitor de Jesus. Nesta Igreja foi sepultado Manoel Vitor de Jesus, sob o forro que acabava de pintar.

Largo das Forras
Praça onde se destacam a Capela do Bom Jesus da Pobreza e o casarão colonial do séc. XVIII, que atualmente é sede da prefeitura municipal.

Igreja Matriz de Santo Antônio
É considerada uma das obras-primas da arquitetura barroca em Minas Gerais, especialmente pela sua extraordinária decoração interior. Construída dentro dos padrões das grandes matrizes de Minas Gerais possui riquíssima ornamentação da nave e da capela-mor, e das diversas sacristias ricamente decoradas, além da excepcional composição do coro e belíssima decoração do órgão. Inicialmente, existiu uma pequena capela dedicada a Santo Antônio que se tornou a primeira freguesia da Comarca do Rio das Mortes. Em 1710, foi criada a Irmandade do Santíssimo Sacramento e, ainda em fins do século XVIII, ocorrerem obras de remodelação da fachada ou reparos. Entre 1807 e 1810, a Irmandade demoliu a frontaria e reconstruiu outra ao gosto rococó, tendo para tal encomendado o projeto ao Aleijadinho. A Matriz de Santo Antônio é, certamente, uma das obras-primas da arquitetura barroca em Minas Gerais, especialmente pela sua extraordinária decoração interior.

Situada em local elevado da cidade, possui frontispício largo, destacando-se a portada, de autoria do Aleijadinho e as duas janelas laterais do coro têm peitoris fechados, com balaustradas barrocas e cercaduras em pedra-sabão com cimalhas movimentadas e ornamentadas. A decoração das ilhargas da capela-mor, arco cruzeiro (ambos de 1750), tarja e, por analogia, o retábulo do altar-mor (1736) são de autoria do entalhador, provavelmente português, João Ferreira Sampaio.

Museu do Padre Toledo
Construída na segunda metade do século XVIII, foi a residência do padre Carlos Correia de Toledo e Melo, vigário da Freguesia de Santo Antônio de São José del Rei, que teve atuação de destaque na Inconfidência Mineira. Segundo tradição oral, os inconfidentes ali se reuniam e no local existiria um túnel secreto (cuja saída estaria marcada por retângulo de tijolos no assoalho de madeira de um dos corredores), por onde poderiam fugir os conspiradores, burlando a fiscalização dos Dragões do Rei, que vigiavam a cidade.

O grande solar é um casarão de um só pavimento, com 18 salas, incluindo os corredores e o salão superior. Considerada uma das melhores casas da época, onde os tetos foram decorados em estilo rococó, com temas mitológicos ao gosto dos poetas árcades* mineiros que participaram da Inconfidência. Em 1971, a casa foi entregue pela Câmara Municipal de Tiradentes à Fundação Rodrigo Melo Franco de Andrade, para instalação do Museu, com acervo composto de mobiliário, esculturas e pinturas, recolhido no Museu da Inconfidência, Museu Regional de São João del Rei, e Casa da Baronesa (Ouro Preto), além de peças doadas por particulares.

Ponte de Pedra
Construída no século XVIII, em 1703, para dar acesso ao lugar denominado Santo Antônio do Canjica, onde havia uma mina de ouro.

■ CACHOEIRAS

Cachoeira da Mãe D’ água
Localizado no bairro do Pacu. Através de uma trilha com cerca de 30 minutos de caminhada chega-se ao vale entre o Morro de Santa Luzia e a Serra de São José. Onde encontram-se várias piscinas naturais com suas águas cristalinas.

Balneário das Águas Santas
Localiza-se atrás da Serra de São José. A água é radioativa e excelente no tratamento de diversos males. O balneário existe desde o século XIX e foi doado ao estado em 1959.

Cachoeira Bom Despacho
Localizada à margem da estrada que liga Tiradentes ao município de Sta Cruz.

Cachoeira do Carteiro
Seguindo pelo bairro do Cascalho, sítio do Ipê, com uma caminhada de aproximadamente uma hora e meia passando por uma calçada do século XVIII, que antigamente ligava a cidade de Tiradentes ao Arraial da Laje chega-se ao alto da Serra de São José. No caminho você passará diante de uma cruz onde foi morto um carteiro que trazia mensagem importante para a vila. Diz a lenda que quem passar por este caminho deverá jogar uma pedra ao pé da cruz. Logo em frente deparamos com algumas pequenas piscinas naturais.

■ COMO CHEGAR

De Carro:
n/d

De Ônibus:
Existência de linhas de ônibus intermunicipais e interestaduais regulares que atendem ao destino, sendo as principais delas a que liga o destino à São João del Rei, cidade vizinha e que possui terminal rodoviário com maior quantidade de ligações que Tiradentes, e a linha para o Rio de Janeiro, atualmente, única ligação interestadual do destino.

De Avião:
n/d

■ MAPA DA REGIÃO