Home / Destinos pelo Brasil / Lagoa Santa
Foto: Divulgação / Pref. Mun. de Lagoa Santa

Lagoa Santa

O município mineiro de Lagoa Santa encontra-se a 800 metros de altitude e uma população de 61.000 habitantes. A cidade fica localizada a 35 km da capital Belo Horizonte e fica em uma região calcária situada na bacia do Rio das Velhas. A região apresenta notório patrimônio natural, espeleológico, paleontológico, arqueológico, histórico e cultural. Na década de 1970 pesquisas arqueológicas na região foram responsáveis pela descoberta de “Luzia”, o crânio humano mais antigo encontrado na América, datado em aproximadamente em 11.500 anos.

■ PONTOS TURÍSTICOS

Lagoa Central
Foi ao redor das margens da Lagoa Central que nasceu o primeiro povoado, motivado pelo poder de cura das suas águas divulgado pelo Dr. Cialli em 1749. Principal cartão postal de Lagoa Santa, a Lagoa foi tombada como Patrimônio Histórico e Paisagístico, em 2001, em âmbito municipal, pelo Decreto n°234. Devido à sua beleza cênica e importância histórica, é reconhecida culturalmente e encanta os moradores e turistas que visitam a cidade. Atualmente, a orla da Lagoa Central é espaço para o lazer e entretenimento de moradores e visitantes, proporcionando excelentes passeios ciclísticos, caminhadas e prática de esportes ao longo dos seus 6.300 metros de margem. Abriga em seu entorno o Iate Clube, outro ponto turístico do município, e gastronomia diversificada, através dos diversos bares e restaurantes ao longo de sua extensão. O maior ponto de atração dentro da área urbana de Lagoa Santa ainda oferece uma deslumbrante vista do pôr-do-sol.

Gruta da da Lapinha
Descoberta em 1835 por Peter Lund, a gruta da Lapinha localiza- se no Parque Estadual do Sumidouro e está inserida na área de proteção ambiental da APA-Carste de Lagoa Santa. Recentemente, a gruta passou por reformas visando um melhor atendimento ao público e a valorização e preservação do patrimônio tombado em nível federal e municipal.

Cemitério Dr. Lund
Monumento dedicado ao pai da Paleontologia Brasileira, Peter W Lund, o túmulo Dr. Lund foi construído num local escolhido pelo próprio naturalista para abrigar seus restos mortais e de seus colaboradores Peter Andreas Brandt, Wilhelm Behrens e Johann Rudolph Muller. Lund registrou seu desejo de ser sepultado à sombra de um pequizeiro, num local aprazível onde costumava fazer suas leituras. O local ainda mantém o mesmo pequizeiro, e em 1935 foi erguido, por iniciativa da Academia Mineira de Letras, um monumento a Peter Lund e a Eugene Warming, botânico que, a convite paleontólogo, também residiu em Lagoa Santa estudando o cerrado. Outros destaques do local são o busto de Lund, esculpido pelo artista Antonio de Matos, além da escultura do artista Jesper Neergaard, denominada “O Mensageiro”.

Parque Estadual do Sumidouro
O Parque possui área total de 2.004 hectares e está situado nos municípios de Lagoa Santa e Pedro Leopoldo, ao norte da região metropolitana de Belo Horizonte, distante cerca de 50 Km da capital mineira.

Caracterizado como Unidade de Proteção Integral, o parque tem o objetivo principal de promover a preservação ambiental e cultural, possibilitando atividades de pesquisa, conservação, educação ambiental e turismo. O parque recebeu este nome devido a sua lagoa, que possui um ponto de drenagem das águas da bacia típica dos terrenos calcários. Trata-se de uma abertura natural para uma rede de galerias, por meio da qual um curso d´água penetra no subsolo denominado “sumidouro”, termo que vem da palavra indígena “Anhanhonhacanhuva”, que significa “água parada que some no buraco da terra”. Dentre os atrativos destacam-se também: a Gruta da Lapinha, o Museu Peter Lund e a Casa Fernão Dias.

Museu Arqueológico da Lapinha (Castelinho)
O Museu Arqueológico da Lapinha famoso pela arquitetura em forma de um Castelo Europeu foi fundado em 1972 pelo Arqueólogo húngaro Mihály Bányai. Com exposição permanente, o Museu conta com um acervo total de 6.000 peças sendo 4.000 delas do Acervo regional. O Museu Arqueológico tem como principal temática: Arqueologia Pré-Histórica: fósseis humanos, ossadas completas do Homem de Lagoa Santa (povo de Luzia), 400 ferramentas pré – históricas cerâmicas indígenas pré – históricas: urnas funerárias Sapucaí e Tupi-guarani. Coleções Complementares regionais: Paleontologia, Espeleologia e Taxidermia e Coleções não regionais: Paleontologia e Mineralogia. Este Museu é privado e está integrado ao museu de Território de Pedro Leopoldo. Atualmente encontra-se em fase de regulação fundiária.

Distrito da Lapinhas
O distrito da Lapinha destaca-se tanto pelas belezas naturais, como as grutas e paredões, quanto pela diversidade cultural e artística, principal referência para as festas populares da região. A Gruta da Lapinha, descoberta por Peter Lund no século XIX constitui a porta de entrada para o Parque Estadual do Sumidouro, além de integrar a Rota das Grutas de Lund. A cultura, por sua vez, mostra-se viva através de manifestações como o Congado, o Candombe, a Folia de Reis, as Festas religiosas (Nossa Senhora do Rosário e Divino) e os doces e quitandas artesanais.

Centro de Arqueologia Annette Laming Emperaire
O Centro de Arqueologia Annette Laming Emperaire foi criado em 1983 pela Prefeitura local, tendo como objetivo divulgar a pré-história da região arqueológica de Lagoa Santa, através de exposições permanentes e itinerantes. O nome da pesquisadora francesa Annette Laming Emperaire foi escolhido devido à importância do seu trabalho na região de Lagoa Santa, que se notabilizou principalmente por ter encontrado o fóssil humano considerado como o mais antigo das Américas, conhecido como “Luzia”. A reconstituição do crânio de “Luzia”, feita mais de vinte anos após o seu achado, ganhou fama mundial por ter revolucionado as teorias de ocupação do continente americano. O museu conta com um variado acervo, composto principalmente por material cedido pelo Museu de História Natural da UFMG, além de outras doações. Possui fósseis, painéis rupestres, fotografias etnográficas, artefatos líticos e outros, oferecendo apoio institucional e reserva técnica a projetos de pesquisa arqueológica.

Museu Arqueológico da Lapinha
Uma das melhores opções para um passeio turístico cheio de história, o Museu foi fundado em 1972 e organizado pelo arqueólogo autodidata húngaro Mihály Bányai. O espaço oferece aos visitantes importantes conhecimentos sobre a paleontologia e arqueologia. O idealizador do museu, que morava na região de Lagoa Santa desde 1963, preocupado com a devastação dos sítios e achados arqueológicos, iniciou a coleção de artefatos, que mais tarde deu origem ao museu. Caminhando por suas salas, o visitante é convidado a mergulhar em uma verdadeira viagem no tempo, com exemplares de animais em extinção e fósseis humanos de mais de 10 mil anos, como o conhecido Homem de Lagoa Santa. Os visitantes do museu têm acesso a relíquias arqueológicas e diversos vestígios das antigas populações que habitaram o município de Lagoa Santa. São mais de 2600 peças, entre ossadas de animais, fósseis, crânios e outros ossos humanos, além de uma série de objetos dos homens pré-históricos.

Praça Dr. Lund
Uma das principais referências da cidade, em seu entorno localiza-se a Escola Municipal Dr. Lund (construída no local onde fora a residência de Peter Lund) e a igreja Matriz de Nossa Senhora da Saúde, construída em 1819. A importância do trabalho realizado por Lund fez com que importantes visitantes passassem por ela no século XIX, como o Imperador D. Pedro II, e importantes cientistas como Richard Burton, Saint Hillaire e Eugene Warming.

Morro do Cruzeiro
Um dos pontos mais altos da cidade, é constituído por um espaço de lazer com playground, academia livre e anfiteatro, além de um mirante com uma bela vista, de onde é possível contemplar a lagoa central, as serras que circundam a região e parte de Belo Horizonte. O cruzeiro existente na praça deu nome à região, que é uma das mais antigas da cidade. É também na praça que se localiza a capela de Nossa Senhora da Conceição, construída no final do século XIX, e tombada pelo município desde 2001.

Clube Náutico Joá
O Clube Náutico Joá foi construído nos anos 1950, quando era frequentado pela alta sociedade belo-horizontina. A arquitetura diferenciada destaca-se pelas formas sinuosas, revestimento em pastilhas italianas e piso interno em mármore de Carrara. Nos anos 70 do século XX, funcionou também como restaurante, onde eram realizadas “horas dançantes”, atraindo um público diversificado. Em 2011, a construção sofreu intervenções, como pintura da parte externa, paisagismo do entorno e projeto de iluminação noturna. Neste mesmo ano, serviu de sede, em sua parte externa, para a realização do III Festival de Cultura Regional Memória e Identidades, do Aniversário da Cidade e do Réveillon.

Igreja Nossa Senhora da Saúde
A Igreja Matriz de Lagoa Santa foi construída no ano de 1819, sendo considerada ponto central da cidade. A Igreja Matriz é um marco na história de Lagoa Santa, uma vez que representa a preocupação do bandeirantismo mineiro de divulgação da fé católica nas regiões das minas mineiras. Com sua moderníssima estrutura de cimento armado, uma das mais belas obras sacras do país, o Santuário da Padroeira recebe anualmente milhares de fiéis que vem em busca de milagres, para cura de seus males físicos e espirituais. Além disso, a Igreja é símbolo da religiosidade da cidade, já tão caracterizadas pelas bênçãos curativas atribuídas as águas da lagoa central.

Capela Nossa Senhora do Rosário
Construída no início do século XIX, a Igrejinha do Rosário é uma capela de grande beleza arquitetônica que possui características típicas remanescentes do século XVIII. A capela foi construída na época do Império brasileiro, originalmente por escravos auxiliados pelos senhores de terra da região, que tinham o interesse em separar os espaços de cultos religiosos entre brancos e negros No teto da Igrejinha há o desenho de uma bola escura contendo uma face da meia-lua e de uma estrela de oito pontas. Esses dois símbolos representam tanto a construção da capela no período noturno como a sua utilização neste mesmo período, haja vista que o período diurno destinava-se exclusivamente às tarefas do trabalho forçado, restando-lhes apenas a disponibilidade do período noturno, após o expediente obrigatório da escravidão. Assim, representa um grandioso simbolismo para a percepção da lógica escravista em Minas Gerais.

Capela Nossa Senhora da Conceição
Situada em uma ampla praça onde se encontra um cruzeiro com os martírios, a Igrejinha de Nossa Senhora da Conceição representa um importante marco cultural da época. Unindo a proximidade construtiva com os princípios neoclássicos e uma planta tradicional das capelas mineiras primitivas, é composta por nave, capela-mor e sacristia lateral esquerda. A nave tem um pequeno espaço reservado ao coro acessado por uma escada de madeira. A nave e parte da sacristia são revestidas de azulejo hidráulico, e o seu presbitério é em madeira. Possui um adro demarcado por mureta de alvenaria, e um altar simples com pinturas populares de flores e anjos.

■ COMO CHEGAR

De Carro:
Do Rio de Janeiro o trajeto dura cerca de 7 h 53 min, com (497,6 km) pela via BR-040 ate o município.

De Ônibus:
Terminal Rodoviário de Lagoa Santa
Rua Aquiles Lisboa 28-90 – Centro

Da capital Belo Horizonte existe a linha 5887 – LAGOA SANTA/BH, para se chegar ao município.

De Avião:
Aeroporto Internacional de Confins
Confins – MG, 33500-900
Telefone: (31) 3689-2700

■ MAPA DA REGIÃO