Home / Cidades do Brasil / Anchieta
Foto: Divulgação / Pref. Mun. de Anchieta

Anchieta

A cidade de Anchieta está localizada no sul do Espírito Santo a cerca de 80 quilômetros da capital Vitória. O município faz divisa com Guarapari, Alfredo Chaves, Piúma e Iconha. Anchieta possui 23 lindas praias, algumas badaladas e com infraestrutura completa de hotéis, pousadas, bares e restaurantes, mas também há outras, bucólicas que formam cenários exuberantes.

A cidade é famosa pela caminhada “Os Passos de Anchieta”, onde andarilhos de todo o país saem de Vitória em direção a Anchieta, refazendo o percurso do jesuíta Padre Anchieta, hoje São José de Anchieta.

A economia de Anchieta baseia-se no turismo e na pelotização do minério de ferro. A cidade de Anchieta não tem como herança valiosa somente suas belíssimas praias, mas tem como referencial a sua história da qual fazem partes grandes vestígios, deixados pelos homens em suas comunidades. Esses vestígios são construções, templos, monumentos, estradas e portos. Em Anchieta, sobrevivem ainda casas e prédios seculares. Várias dessas casas e sobrados, que formam o patrimônio histórico de Anchieta, estão no velho centro da cidade ou na área do porto.

Anchieta é uma cidade que possui muitos testemunhos de sua memória histórica, como a secular Igreja nossa Senhora da Assunção, edificada no século XVI, que possui anexo o museu nacional São José de Anchieta. Outros monumentos são a Casa da Cultura, as Ruínas do Rio Salinas, os Poços Jesuíticos, o Colégio Maria Mattos dentre outros, como casas e sobrados, que formam o patrimônio histórico de Anchieta, os quais abrigaram os primeiros colonizadores da cidade.

■ PONTOS TURÍSTICOS

Rio Benevente
Área de preservação permanente. É um rio de planície e de águas tranquilas. Sua foz, em forma de estuário, é um viveiro rico em material orgânico, adequado à proliferação de crustáceos. Possui vegetação típica de manguezais, formando igarapés de beleza singular. Os rios Salinas e Árerá completam a bacia hidrográfica do município de Anchieta.

É ideal para passeios de descida e subida do rio de barcos e caiaques. O passeio pelo Rio Benevente começa pelo Porto da Colônia de Pesca, onde são oferecidas embarcações pesqueiras com fins turísticos,promovendo um atrativo inesquecível pelos manguezais. A viagem dura cerca de duas horas e propicia ao visitante conhecer a fauna, a flora e a história da região.

O manguezal de Anchieta é um dos mais preservados do Estado. Com vários barcos e guias à disposição de turistas e visitantes é possível realizar passeios observando as ilhas de mangue e belas revoadas de garças que frequentam a região. O Rio Salinas surge em meio à vegetação, com seu sítio arqueológico das ruínas, um conjunto de 32 colunas, formando uma antiga salina.

Parque Fluvial
O Parque é formado pela Reserva de Desenvolvimento Sustentável de Papagaios e pelo Manguezal, um dos mais belos e preservados do Espírito Santo. Nos bosques de mangues de Anchieta encontra-se o mangue vermelho, branco e negro. A diversidade da fauna como papagaios, garças e outros fazem um show a parte durante o passeio. O ponto alto fica por conta da revoada das garças migratórias ao entardecer. Passeio obrigatório para os amantes da natureza.

Monte Urubu
Pico culminante com 332 m a leste do município, à margem esquerda dos rios Benevente e Salinas. O acesso ao monte pode ser feito através de carro, bicicletas ou a pé. É um local que permite aos ecoturistas e amantes da natureza um belíssimo passeio através das caminhadas e trilhas. No ponto culminante existe uma clareira, onde se pode ter uma bela visão da natureza.

Santuário Nacional São José de Anchieta
É composto por um conjunto arquitetônico – Igreja de Nossa Senhora da Assunção, Museu Nacional São José de Anchieta e Cela (quarto do “Apóstolo do Brasil”). Construída no século XVI. No Museu podem ser vistos móveis antigos, peças arqueológicas, roupas e outros grandes objetos de valor religioso e histórico dos séc. XVI até os dias atuais. Na Cela de São José de Anchieta se encontra a relíquia de um de seus ossos.

O local é um santuário católico dedicado ao culto a São José de Anchieta e dele faz parte o complexo jesuítico formado pela Igreja de Nossa Senhora da Assunção, e as áreas da antiga residência jesuíta anexa, ambas tombadas como Monumento Nacional desde 1943. No local, há museu, sítio arqueológico, biblioteca e centro de documentação especializados. O santuário também contam com um centro interpretativo que ilustra o papel e a obra do Apóstolo do Brasil e as vivências dos missionários jesuítas.

A Igreja Nossa Senhora da Assunção que é uma das mais antigas do Brasil, é um monumento histórico, que segundo a tradição, sua construção se deve a São José de Anchieta. A edificação da Igreja foi feita com o trabalho dos índios catequizados. Na obra, empregaram-se pedras e blocos de recife presos com argamassa feita com óleo de baleia. Era desta maneira que os jesuítas construíam seus templos no Brasil.

Junto à Igreja, construiu-se a residência dos padres. Ainda hoje quem observa a histórica edificação, no alto do morro sobre a foz do rio Benevente, nota que sua fachada é formada pela Igreja e pela antiga residência dos jesuítas. Nessa residência moravam os padres, para darem melhor assistência aos numerosos índios da aldeia de Rerigtiba. Acredita-se que o Padre Diogo Fernandes, companheiro de Anchieta, tenha sido o primeiro jesuíta a ser enterrado na Igreja de Nossa Senhora de Assunção. O edifício também constitui atualmente, precioso patrimônio histórico onde funciona o Museu Anchieta. Na espaçosa praça, em frente à matriz, encontra-se, desde 1922, o busto de bronze do Padre José de Anchieta.

Museu Nacional de Anchieta
O Museu Nacional de Anchieta, anexo à Igreja Matriz de Nossa Senhora da Assunção, constitui também precioso patrimônio histórico e cultural do município. Ali podem ser vistos móveis antigos que pertenceram a São José de Anchieta, peças arqueológicas, roupas, a cela (quarta que o santo usava quando era padre), a relíquia de um de seus ossos e inúmeros outros grandes objetos de valor religioso.

Casa da Cultura
A Casa da Cultura de Anchieta fica localizada na sede, na rua Presidente Vargas número 161, no bairro Porto de Cima. constitui um dos patrimônios histórico-culturais do município de Anchieta construído em 1927.

Inicialmente era a sede da prefeitura municipal, a Câmara dos vereadores e o Fórum. A partir de 1989 deixou de ser a sede da prefeitura e continuou sendo a Câmara Municipal até 1995. Atualmente funciona apenas como Casa da Cultura, muito visitada por estudantes, que a procuram como fonte de informações a respeito da história do município e região, além de seus colonizadores. No andar térreo abriga um mini-teatro onde são realizadas várias exposições.

Ruínas do Rio Salinas
As Ruínas do Rio Salinas, localizadas à margem esquerda do rio Salinas, afluente do rio Benevente, se destacam do ambiente natural em que se situam não só pelo engenho humano que representam, mas, também pela imponência de suas formas, pela harmonia de suas proporções e pela sequência rítmica do conjunto de pilares e colunas, algumas redondas e outras quadradas.

Construção em alvenaria de pedra, argamassa com uma mistura heterogênea, em que se destacam as pequenas conchas de Anchieta, as Ruínas se alçam do solo a partir de um sistema estrutural básico de colunas e paredes de vegetação. Voltadas para a ponte, as Ruínas do Rio Salinas emergem como um objeto na grande paisagem territorial que a envolvem. Composta de 32 colunas que, acredita-se também formava uma antiga salina clandestina.

Há algumas suposição do local, para alguns, poderia ter sido uma igreja que os jesuítas ali estivessem construindo. Essa foi a primeira hipótese, não só devido ao grande número de índios que havia nas margens do rio Benevente, como também porque os jesuítas escolheram essa região para desenvolver a catequese com muita intensidade e fervor. E sempre que deparavam com uma região com muitos índios, ali construíam uma igreja como símbolo de fé e de grandeza da igreja católica.

Colégio Maria Mattos
Fundado em 1932, pelo anchietense Dom Helvécio Gomes de Oliveira. Tornou-se a 1º escola do interior do Espírito Santo. Alunos de todas as partes do Brasil vinham estudar no Maria Mattos onde ficavam internadas e eram educadas pelas irmãs Carmelitas. Fica localizado no centro da cidade de Anchieta, próximo ao Santuário Nacional de São José de Anchieta.

Poço do Coimbra
Outro testemunho da memória histórica do município, com aproximadamente 250 anos de existência, fonte natural do alto do morro, depois da igreja de Nossa Senhora da Penha de onde vinha a água utilizada pelos moradores de Anchieta, antes de haver o abastecimento a domicilio com água da Companhia de Abastecimento de Água.

Poço Quitiba
Localizado a poucos metros do centro, no lado sul da baía de Anchieta, em área particular, suas águas permanecem de boa qualidade.

Poço dos Castelhanos ou Anchieta
Localizado na Ponta dos Castelhanos, encontra-se restaurado. Conta-se a lenda que o Beato Anchieta ao retornar de uma viagem com os índios, bateu com o seu cajado na pedra e fez jorrar água e esta possuía poderes de cura.

Centro Cultural
O Centro Cultura Anchieta foi o grande Hotel Anchieta, que guarda em sua memória parte da história do município. Construído por Dom Helvécio em 1940, posteriormente foi adquirido pela tradicional família Bezerra e foi o primeiro hotel da região, tendo como finalidade hospedar as famílias das alunas internas que estudavam no Colégio Maria Mattos.

Os eventos da sociedade anchietense da época eram realizados no Hotel Anchieta. Suas roupas, prataria e roupas de cama foram importadas da França, o que encantava a todos pelo requinte, beleza e qualidade. Além de guardar parte da memória do município, o Hotel Anchieta é um atrativo turístico cultural de grande expressão que agrega atividades que valorizam e resgatam a cultura local, como o memorial do Hotel Anchieta.

Hoje o Hotel Anchieta se tornou o Centro Cultural Anchieta. É referência cultural para a região. Os visitantes podem conhecer partes da história do município e observar a rica arquitetura do local. No espaço são realizadas exposições, aulas de música e dança, entre outras ações culturais.

■ PRAIAS

Praia do Ubu
É hoje importante praia de veraneio do município. No passado, pequeno povoado de pescadores, colonizado inicialmente por índios. A origem de seu nome em tupi-guarani significa “queda”. Contam também algumas pessoas, que o nome é devido à fruta do umbuzeiro, o umbu, variante de imbu (do imbuzeiro), pois havia muitas dessas palmeiras no balneário. Ubu é um balneário bucólico e límpido, suas águas são claras e calmas, e os turistas que por ali passam se encantam com sua beleza natural. O balneário possui uma boa infraestrutura hoteleira e bons restaurantes que servem a tradicional moqueca capixaba.

Praia de Parati
Pequena vila de pescadores. Colonizada inicialmente por índios, sendo sua população formada por descendentes de índios. Seu nome também é de origem indígena. Em Tupi Guarani, Parati significa Baía Pequena. Vila procurada pelos turistas que querem fugir do tumulto das cidades.

Suas águas são claras, ondas fracas e é muito procurada para a prática de pesca de arremesso e windsurf. O balneário não possui infraestrutura hoteleira, possui apenas um camping e casas de aluguel.

Praia de Mãe-Bá
Mãe-Bá é a primeira localidade do município de Anchieta, no sentido Vitória Anchieta, via Rodovia do Sol. Colonizada inicialmente por índios. Seu nome é de origem tupi guarani, e significa “Olhos Distantes”. ,É privilegiada por ser contornada pela lagoa de Mãe-Bá, que possui um grande potencial turístico a ser explorado, adornada pela vegetação nativa e bosques reflorestados de eucalipto, é um destaque natural especial para toda a região. Destaque, também para a Praia de Mãe-Bá, localizada às margens da Rodovia do Sol, possui extensão de 5 km, aproximadamente, distante 18 km da Sede.

É uma praia deserta, de ondas médias e águas verdes. Frequentada por pescadores. As falésias aparecem e tornam a região aprazível para longas caminhadas. O artesanato é feito de Taboa, pelas mulheres da comunidade, no Centro de Artesanato “NABOA”.

Praia de Castelhanos
A praia de Castelhanos está situada no final do trecho do litoral entre a sede e Ubu, distante 5 km. Seu acesso é feito através da Rodovia do Sol ou de estrada pavimentadas, margeando praias e enseadas onde também é caminho para os andarilhos que percorrem os Passos de Anchieta. Graças à presença de recifes, durante as marés baixas se formam varias piscinas naturais de águas quentes onde habitam espécies de fauna e flora. São as pocinhas de maré, habitat natural e protegido pelo meio ambiente.

A praia de Castelhanos oferece também entretenimento e lazer em áreas especificas como: a prática de esportes náuticos, surf, vela, ginástica na praia, vôlei, peteca ou simplesmente uma boa caminhada pelas trilhas apreciando as áreas de preservação e o mar sempre azul.

Praia da Boca da Baleia
Praia tranquila com enseadas virgens e área de preservação e de desova de tartarugas.

Praia do Além
Situada às margens da Rodovia do Sol, a 16 km da Sede, localiza-se próximo ao Terminal Portuário de Ubu. Praia deserta, de mar aberto e águas azuis. Muito procurada por surfistas em virtude de suas ondas. Não possui infraestrutura, mas por estar próxima ao balneário de Ubu, os frequentadores podem ser atendidos pelos restaurantes, hotéis e pousadas desse Balneário.

Praia de Tiquiçaba
Praia pequena e desértica, localizada no balneário de Ubu. A origem do seu nome é Tupi Guarani, que quer dizer – Praia de Pequenas Conchas. É indicada para mergulho e pesca de lagosta. Não possui infraestrutura. Mas está próxima aos restaurantes, hotéis e pousadas de Ubu.

Praia de Guanabara
Localizada entre Parati e Castelhanos, fica a 6 Km da Sede do município. Possui 2,5 km de extensão. Seu acesso pode ser pela Rodovia do Sol ou por estrada de terra no sentido Parati X Anchieta.

Seu nome é originado devido ao naufrágio do navio Guanabara, em 1910. Segundo moradores locais, os destroços ainda se encontram lá a mais ou menos 900 metros da praia e pode ser um atrativo para quem gosta de mergulhar. A praia apresenta grande incidência de desova de tartarugas da espécie Caretta – Caretta, e é hoje um ponto turístico de grande importância.

Praia Central
Localizada na sede do município, possui cerca de 3,5 km de extensão. Suas areias são de cor marrom e batida, possui águas turvas e calmas. A praia é muito utilizada para pesca de siri, ostra, camarão, sururu e muito procurada para práticas esportivas como futebol de areia e vôlei de praia. A alguns quilômetros mar adentro se pode apreciar o cultivo de mexilhão nas fazendas marinhas. Na avenida Beira Mar você encontra restaurantes com gastronomia típica capixaba.

Praia de Iriri
Iriri, também tem nome de origem indígena e significa “ostra”, abundante em suas praias. No passado, o balneário era apenas uma pequena vila de pescadores. O seu crescimento deu-se principalmente devido a sua transformação de pequenas choupanas de barro para a urbanização. As pessoas foram chegando à localidade e adquirindo seus terrenos, construindo casas, hotéis e pousadas. A construção da Rodovia do Sol também muito contribuiu para a transformação da localidade.

O balneário de Iriri concentra a maior infraestrutura hoteleira do município de Anchieta. Os turistas vêm dos mais distantes pontos do Brasil, para saborear os frutos do mar e a tradicional moqueca capixaba. Hoje, concentra três mil habitantes e recebe em média na alta temporada cinquenta mil visitantes. O balneário é composto pelas praias: Santa Helena, Namorados, Areia Preta e Costa Azul. A lagoa da Conceição, divisa com o município de Piúma é outro atrativo turístico.

Praia dos Namorados
Localizada no balneário de Iriri, possui cerca de 350 metros de extensão, fica a 6 km da Sede. A praia fica em pequena enseada, entre costões, de águas claras e mar calmo, areia dura e amarelada. Pode ser aproveitada somente para atracação. O acesso é feito pela Rodovia do Sol. Possui infra-estrutura de meios de hospedagem e alimentação.

Praia Costa Azul
Localizada a 7 km da Sede, com aproximadamente 500 metros de extensão. O acesso é totalmente asfaltado. Praia de enseada, entre costões, de águas claras e mar calmo, areia compacta amarelada. É uma das praias mais frequentadas de Iriri.

Devido a sua pequena extensão não é aconselhável a instalação de infraestrutura náutica. Possui quiosques à beira mar, restaurantes, hotéis, lojas de artesanato, Feira dos Artesãos, onde acontecem os eventos turísticos e culturais. Nesta praia podem-se fazer passeios de escuna, banana boat, jetski e tem áreas reservadas para jogos de vôlei, peteca, entre outros.

Praia da Areia Preta
Praia urbana, distante 7 km da Sede do município. Possui cerca de 500 m de extensão. Localizada entre costões, possui mar calmo, águas claras com pequenas ondas, areia escura e solta, devido a presença de Ilmenita (areia monazítica). Com vista panorâmica do Monte Aghá (Piúma). É uma das praias mais frequentadas do balneário.

Considerada boa para atracação, porém suas dimensões não comportam infraestrutura náutica. Também proporciona passeios de escuna e mergulho por empresas. No segmento do Turismo Náutico – o turismo educativo com pesquisas científicas marinhas através da Escola de Mergulho, no turismo recreativo e de lazer – mergulho contemplativo e passeios. As praias de águas tranquilas, os recifes de corais e a imensa vida marinha fazem deste litoral um dos melhores pontos de mergulho do Estado.

Praia de Santa Helena
Praia de enseada, areia clara, boa para pratica de surf. Não possui infraestrutura de restaurantes só de hotéis, apenas uma cabana que serve petiscos e bebidas. Existe próximo à praia loteamento com algumas residências, na sua maioria, de turistas.

Praia de Inhaúma
Pequena vila de pescadores, praia de enseada, com pequena faixa de areia clara e socada, própria para pesca artesanal. Não comporta a prática de esportes náuticos. Possui um hotel e bares.

Praia do Coqueiro
Localizada próximo ao centro. Possui cerca de 100 metros de extensão. Constitui-se um excelente local pesqueiro. Possui quiosques com serviços diversos. Possui águas claras e transparentes, ondas fracas, areia escura, batida e fina. Fica entre costões e há rochedos à beira mar. O acesso é pavimentado, partindo da rodovia do Sol.

Praia do Balanço
Localizada próximo ao centro, com aproximadamente 50 metros de extensão. Possui águas claras, ondas fracas e areia escura e batida. É uma praia virgem, faz parte de uma sequência de pequenas enseadas. Local de grande beleza natural, com matas secundárias e densas. O acesso é feito através da estrada de terra a partir da Rodovia do Sol.

Praia Juca da Mata e Praia do Sapê
Praias virgens, boas para pesca de mergulho, possuem aproximadamente 20 metros de extensão, mar agitado, com ondas de 1 m a 1/2 m, águas claras e areia branca com grande incidência de conchas. Acesso através de trilhas ou pelo mar.

■ CACHOEIRAS

Nas regiões rurais do município existem algumas localidades que possuem atrativos turísticos naturais, é o caso da localidade de Alto Joeba, com a Cachoeira da Luz, a Cachoeira do Cafundó, além da Cachoeira da Cabeça Quebrada, na divisa com Guarapari.

■ COMO CHEGAR

De Carro:
Saindo de Minas Gerais, seguir pela BR-262, no entroncamento da BR-262 com a BR-101, vire a sua direita em direção ao Rio de Janeiro/Guarapari. Entre na rotatória em direção a Guarapari e pegue a primeira saída a direita em direção a Meaípe.

Saindo de Vitória, seguir pela Rod. Do Sol sentido Guarapari, até chegar à cidade de Anchieta.

De Ônibus:
Existem várias empresas de ônibus que saem da capital Vitória até a cidade de Anchieta.

De Avião:
O Aeroporto mais próximo fica na capital do estado Vitória.

■ MAPA DA REGIÃO