Turismo
 
          INÍCIO            DESTINOS NO BRASIL            SOBRE O BRASIL               DICAS DE VIAGEM
Turismo


Turismo no Brasil   >   Estado: Mato Grosso do Sul   >   Destino: Campo Grande


Campo Grande
Foto: Governo do Estado do Mato Grosso do Sul

 Pontos Turísticos
■ PONTOS TURÍSTICOS
Mercado Municipal Antonio Valente
O Mercado Municipal Antonio Valente, inaugurado em agosto de 1958, tem sua origem numa feira livre, um ponto de vendas de carnes e verduras que ocupava uma grande área margeando os trilhos da Noroeste, entre a Avenida Afonso Pena e a Rua 7 de Setembro. A feira funcionou, até o final doa anos 50, quando o terreno foi doado á Municipalidade. O chamado Mercadão passou a ser referência na comercialização de produtos hortifrutigranjeiros, peixes e especiarias tendo sido por longo tempo um dos poucos locais de comércio abertos ao público nos domingos pela manhã. É atualmente administrado pela Associação dos Mercadistas.
Mercado Municipal Antonio Valente
Foto: Divulgação / Pref. Mun. de Campo Grande

Feira Livre
Um dos principais pontos de referência comercial e turística de Campo Grande é a Feira Livre Central. Até 1964 esse mercado livre passou por vários locais da cidade e, desde então, está instalada no seu endereço atual Rua 14 de julho São Francisco, s/n. Sedimentando sua localização e o período de atendimento ao público em determinados dias da semana, a Feira passou a oferecer, gradativamente, novas opções de comércio, como a venda de produtos importados do Paraguai e Bolívia, além de já tradicional variedade de produtos hortifrutigranjeiros. A degustação de pratos típicos da colônia japonesa, como o sobá, além do regional espetinho com mandioca, passou a caracterizar o local como o mais democrático ponto de gastronomia da cidade e importante atração turística da cidade.
Feira Livre
Foto: Divulgação / Pref. Mun. de Campo Grande

Praça dos Imigrantes
Um dos mais recentes pontos de encontros da Capital é a Praça dos Imigrantes, situada entre as ruas Rui Barbosa, Joaquim Murtinho e Barão do Melgaço. Recentemente remodelado, o logradouro oferece espaços adequados para permanente exposição e venda de produtos artesanais. Foi denominada Praça Costa Marques, em homenagem à autoridade mato-grossense e, posteriormente, Praça dos Imigrantes porque se tornara local de reunião dos que aqui se fixavam.
Praça dos Imigrantes
Foto: Divulgação / Pref. Mun. de Campo Grande

Parque das Nações Indígenas
O Parque das Nações Indígenas ocupa área de cerca de 119 hectares e preserva uma reserva ecológica. O córrego Prosa, cuja nascente está na reserva natural do Parque dos Poderes, forma ali um grande lago que tem uma pequena ilha e um píer. Suas águas cortam toda a extensão do parque, com pontes para travessia. Embora setenta por cento de sua extensão tenha cobertura em grama, o Parque mantém vegetação nativa e núcleos de árvores ornamentais e frutíferas plantadas pelos antigos proprietários. Vários equipamentos urbanos estão previstos para o local destacando-se as atuais instalações do Monumento ao Índio e Museu de Arte Contemporânea, além dos extensos caminhos de circulação utilizados como pistas de caminhadas. A área do logradouro é monitorada por um pelotão montado da Polícia Florestal do Estado, que tem sua sede no interior do parque.
Parque das Nações Indígenas
Foto: Divulgação / Pref. Mun. de Campo Grande

Museu de Arte Contemporânea
O MARCO foi criado em 1991. Seu acervo tem origem na Pinacoteca Estadual, com os prêmios aquisitivos dos salões de arte realizados a partir de 1979 e, mais tarde, através de doações espontâneas de artistas, colecionadores e instituições culturais. Atualmente compõe-se de aproximadamente 900 obras em diversas modalidades artísticas, incluindo um conjunto significativo de obras que registram o percurso das artes plásticas em Mato Grosso do Sul, do princípio aos dias atuais.

Localizada no Parque das Nações Indígenas, extensa área verde da cidade reservada para atividades de lazer, o museu possui uma área construída de 4000m2, e dispõe de 5 salas de exposição, sendo uma com mostra permanente de obras de seu acervo e 4 salas para as mostras temporárias que compõem sua programação anual.
Museu de Arte Contemporânea
Foto: Divulgação / Pref. Mun. de Campo Grande

O setor educativo, em sintonia com as abordagens atuais da arte-educação, conta com 3 salas para as atividades práticas com escolas e grupos no complemento didático às visitas orientadas às exposições, além de cursos de iniciação em arte para crianças, jovens e adultos; assim como um equipado atelier para o desenvolvimento de técnicas de gravura. O museu possui ainda um auditório com capacidade para 105 pessoas e uma biblioteca específica em artes plásticas, com material para pesquisa e formação de estudantes, arte-educadores, artistas e público em geral. O MARCO através de suas atividades cumpre fundamental papel educativo, democratizando o acesso à arte e aos bens culturais, posicionando-se como importante centro de formação e fomento cultural.

Parque dos Poderes
Numa área de 285 hectares está localizada a reserva ecológica do Parque dos Poderes assim denominado por abrigar os principais órgãos dos poderes executivo, judiciário e legislativo do Estado. Suas primeiras edificações foram implantadas na década de 1980 resultando nos atuais oito blocos administrativos do poder executivos, situados em meio à reserva florestal. Uma vista aérea desse conjunto revela o contorno de uma elipse tendo numa de suas extremidades o Palácio Popular da Cultura, prevendo-se no projeto original a construção do Palácio do Governo, em área ainda disponível na outra extremidade. Nas proximidades estão instalados os prédios da Assembléia Legislativa, Tribunal de Justiça, Palácio das Comunicações, Tribunal Regional Eleitoral, Tribunal de Contas e Quartel da Policia Militar, além de sede para clubes de servidores. As Ávenidas Afonso Pena e Mato Grosso dão acesso à reserva que, além de abrigar a nascente de córregos, apresentam extensa área de vegetação nativa onde espécies da fauna regional são preservadas em seu habitat natural.